A cidade mineira foi elevada à vila no dia 9 de junho de 1715 e, neste período, guardou muitas histórias.

Figura1

Imagem: G1/Centro-Oeste

O Terra de Minas deste sábado (06/06) celebra os 300 anos de Pitangui, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais. A cidade mineira foi elevada à vila no dia 9 de junho de 1715 e, neste período, guardou histórias e muitas curiosidades.

Pitangui é considerada o portal do Centro-Oeste mineiro. Os paredões de pedra da região atraíram os colonizadores.

“O início da colonização de Minas Gerais foi conturbada. Muita gente chegando. Não havia muito controle da coroa portuguesa. De um lado os paulistas, do outro lado os emboabas, que na verdade eram  todos os outros súditos de sua majestade vindo de todos os lados, Portugal, Bahia. Eles entram em conflito para saber quem tinha acesso, quem tinha direito a extrair o ouro da terra. E os paulistas, por estar em menor  número, saem derrotados na Guerra dos Emboabas, no início da colonização de Minas Gerais. E qual foi a região de Minas Gerais que coube aos paulistas após a Guerra dos Emboabas? Pitangui”, contou o historiador Leandro Pena Catão.

O número de córregos e rios também chamou a atenção dos bandeirantes paulistas. Ao conhecer a região a caravana encontrou várias crianças brincando às margens de um rio. Elas eram filhas dos índios, os primeiros habitantes do lugar. Nessa descoberta está a origem da palavra pitangui que em tupi-guarani significa o rio das crianças.

Além do ouro, a cidade era famosa pela produção de aguardente e pela agropecuária. “Pitangui tinha no período colonial, aquela que era considerada a melhor cachaça de Minas Gerais. A cachaça tinha uma importância muito grande, era a bebida alcoólica mais consumida. Pitanqui também se destacava pela produção de alimentos, pela produção de carne, havia currais de gado muito importantes nas proximidades de Pitangui e também a lavoura. Pitangui também produziu alimentos que era levado para outras regiões de minas gerais”, disse o historiador.

Fundação
A carta e a lei que elevaram Pitangui à categoria de vila no dia 9 de junho de 1715 estão registradas em uma nesta revista do Arquivo Público de Minas Gerais. Mas pelos registros históricos do arquivo da cidade, o povoado começou bem antes.

” 1696 é o que nós achamos que seja, mas existem autores que falam em 1700, 1709. O arraial foi elevado a vila a revelia, por vontade dos moradores e só mais tarde o rei oficializou esse ato”, contou a presidente do Instituto Histórico de Pitangui, Maria José Valério Calderário Teixeira.

Um dos documentos da época, datado de 1713, revela uma “ação de alma”.  “A religião católica era muito forte. As pessoas tinham muita fé que se desse a alma como garantia. Se morresse sem pagar, iria para o inferno”, disse a historiadora Adelan Maria Brandão. No arquivo público da cidade há mais de mil ações de alma

O medo do inferno era tanto que as pessoas pagavam em vida as missas que seriam celebradas quando elas morressem.

Assista ao programa:

Parte 1

Figura2

 

 Parte 2

Figura2

Parte 3

Figura2

Fonte: G1/Centro-Oeste