Mostra reúne conteúdos da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa e do Arquivo Público Mineiro que remontam à história do município.

museu-mineiro-recebe-exposicao-sobre-a-cidade-de-pitangui

Em comemoração ao tricentenário de Pitangui, a Secretaria de Estado de Cultura, por meio da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa e do Arquivo Público Mineiro, promove, no Museu Mineiro, a exposição Pitanguy: 300 anos de história. A abertura da mostra será no dia 10 de abril, às 19h, na Sala de Exposições Temporárias do Museu. O acervo ficará disponível para visitação até o dia 10 de maio. A entrada é gratuita.

Em consonância com a diretriz de democratização do acesso à cultura, os textos explicativos que integram a exposição estarão disponíveis em braile. Também têm destaque na mostra os exemplares do menor jornal do mundo, “Vossa Senhoria”, que foi publicado em Pitangui entre 1952 e 1956. Publicações, livros, documentos e jornais constituem o acervo que remonta à história oficial e às peculiaridades desse município de Minas. Incrementando esse conteúdo, estará disponível para o público um totem para consulta do material que compõe a exposição.

O secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, destaca a “importância da Vila de Nossa Sra. da Piedade de Pitangui, na Capitania, Província e Estado”. Ele ressalta que Pitangui, a sétima vila criada em Minas Gerais, foi baluarte no avanço para o oeste do território minerador.

“Pitangui sinalizou a expansão e o fortalecimento do distrito do ouro, provocando a separação da capitania de Minas da capitania de São Paulo, em 1720. E em 1822, o vigário de Pitangui, padre Belchior Pinheiro de Oliveira, foi o principal conselheiro de Dom Pedro I na proclamação da independência do Brasil, que contou com o suporte decisivo de Joaquina do Pompeu, grande matriarca da região. Desde os primórdios, a cidade teve papel fundamental nos rumos da vida mineira, pelo que o seu tricentenário merece ser amplamente celebrado”, conta o secretário.

O superintendente de Bibliotecas Públicas e Suplemento Literário, Lucas Guimaraens, explica como foi organizada a mostra. “Os profissionais do Arquivo Público Mineiro e da Superintendência de Bibliotecas Públicas e Suplemento Literário se debruçaram sobre os seus acervos e fizeram uma minuciosa seleção de documentos oficiais, livros sobre Pitangui, e de autores pitanguenses, além de fotografias e mapas”, diz.

A Superintendência de Museus e Artes Visuais, por sua vez, elaborou a museografia e preparou o espaço para receber a exposição. O Superintendente salienta a união de esforços para a realização da mostra. “Foi muito satisfatório ver os três equipamentos contribuírem, cada um na sua especialidade, para celebrar estes 300 anos de história e cultura de Pitangui”, destaca.

Vila do ouro

Pitangui é a sétima vila do ouro do Estado de Minas Gerais, assim instituída em 1715. O vilarejo foi passagem de bandeirantes paulistas, chefiados por Bartolomeu Bueno da Siqueira, durante o ciclo do ouro. Em 1855, Pitangui adquire status de cidade. Atualmente, pertence à Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais e ao Circuito Verde – Trilha dos Bandeirantes.

Serviço:

Exposição Pitanguy: 300 anos de história

Local: Museu Mineiro – Avenida João Pinheiro 342, bairro Funcionários, Belo Horizonte

Abertura para convidados: 10 de abril, 19h

Período de visitação: 11 de abril a 10 de maio

Horário: Às terças, quartas e sextas-feiras, das 10h às 19h

            Às quintas-feiras, das 12h às 21h

            Aos sábados e domingos, das 12h às 19h

            Entrada gratuita

 

Fonte: Agência Minas