Pitangui é um convite ao turismo histórico, artístico-cultural e ecológico. Para se ter idéia do potencial histórico de Pitangui, é bom lembrar que a luta pela Independência do Brasil nasceu e culminou com a presença ativa de personagens de sua história.

Entre 1713 e 1720, aconteceram as primeiras revoltas pitanguienses contra as imposições da Coroa Portuguesa, sendo a primeira, a Sublevação da Cachaça. A Revolta de 1720, liderada por Domingos Rodrigues do Prado, contra a cobrança do quinto do ouro, conclamava que “quem pagasse, morria”. Apesar da derrota da Vila de Pitangui, os pitanguienses não pagaram e Conde de Assumar, então governador da Capitania, teve, contrariamente à sua vontade, de anistiar a dívida, dizendo que “essa Vila deveria ser queimada para que dela não se tivesse mais memória”, chamando a população local de “mulatos atrevidos”. Foi a 1ª grande revolta contra a Coroa, antes mesmo da de Felipe dos Santos, em Ouro Preto.

Em 1822, um vigário pitanguiense escreveria seu nome na história da Independência Brasileira: padre Belchior Pinheiro de Oliveira. Este foi conselheiro e confidente de D. Pedro I. Durante a jornada do 7 de setembro, padre Belchior aconselhou o imperador a proclamar a Independência do Brasil: “Se Vossa Alteza, não se fizer Rei do Brasil, será prisioneiro das Cortes e, talvez, deserdado por elas. Não há outro caminho, senão a Independência e a separação”. Pitangui, hoje, ainda preserva o seu sobrado, que é tombado pelo IPHAN e o seu túmulo, este, localizado nas escadarias da Igreja Matriz de N. Sra. do Pilar.

Pitangui – Berço de personalidades marcantes na história do Brasil

Como não poderia deixar de ser, Pitangui é um verdadeiro centro de DNA político. A tradicional família pitanguiense do século XVIII, de Antônio Rodrigues Velho (o Velho da Taipa) e, posteriormente, do casal Inácio de Oliveira Campos e D. Joaquina (a Dama do Sertão), deram origem ao tronco familiar político mais importante do País, que fez descendentes como: Getúlio Vargas, Campos Sales, Rodrigues Alves, Juscelino Kubitschek, Gustavo Capanema, Francisco Campos, Benedito Valadares, Pedro Aleixo, Milton Campos, Afonso Arinos de Melo Franco, Magalhães Pinto, dentre outros.

Um dos destaques da política pitanguiense foi Gustavo Capanema, Ministro que mais tempo ficou no cargo em toda a História do Brasil. Foi o criador do IPHAN, SENAI, INEP, dos cursos de Jornalismo, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Educação Física e Arquitetura e Urbanismo.

Outro que se sobressaiu foi Martinho Campos, político ator do Império. Além destes, Olegário Maciel, Ivan Pedro de Martins e Benedito Cordeiro dos Campos Valadares, também tiveram projeção nacional. Duas das mais importantes matriarcas mineiras do século XVIII e XIX, Maria Tangará e D. Joaquina, viveram em Pitangui e tinham grande poderio econômico, tendo a segunda sustentado a Corte Portuguesa, com mantimentos, na sua vinda para o Brasil, em 1808.

Pitangui também é arte. Na música, nomes de sucesso, com destaque para bandas, grupos de seresta, corais e cantores com reconhecimento regional, nacional e internacional. Na literatura, destaque para José Rangel, que além de grande escritor, foi um dos fundadores da Academia Mineira de Letras e do 1º grupo escolar de Minas Gerais, em Juiz de Fora. Também merece citação, Bartolomeu Campos Queirós, ganhador do Prêmio Jabuti, em 1983.

Pitangui – Terra de grandes artistas e cheia de cultura, tradições e história

Na arte da caricatura e dos cartuns, a figura ímpar de um dos pioneiros da Rede Globo de Televisão – Mauro Borja Lopes (Borjalo). É o criador da Zebrinha da Loteca (atração das crianças do Brasil, nos anos 70/80), do primeiro logotipo da emissora, da vinheta do “plim-plim” e idealizador do Jornal Hoje e do Fantástico, além de muitas novelas que marcaram época.

Os pontos turísticos do município são bastante diversificados e para todos os gostos. Possui capelas e igrejas do século XVIII e XIX, charmosas fazendas coloniais, casarões de grandes personalidades, minas de ouro desativadas, além do Chafariz da Praça e da Mina de água da Lavagem, marcos, respectivamente, da chegada da água potável em Pitangui e da lavagem do ouro pelos garimpeiros no início do século setecentista. O Centro Histórico, um dos atrativos do município, está em processo de tombamento pelo IEPHA-MG, devido ao traçado urbanístico português e ao acervo arquitetônico colonial e eclético.

O Instituto Histórico de Pitangui, cujo prédio que o abriga, também tombado pelo Patrimônio Nacional, guarda um dos principais acervos sacros do Estado e o mais completo arquivo judicial do Centro-Oeste Mineiro, um dos maiores do País. Guarda relíquias da história econômica, indígena, além de Museu da Imagem e do Som, máquinas tipográficas, mobiliário de época e peças de período de guerras e escravocrata.

Cortando um trecho do bairro da Penha, pode-se chegar à Estrada Real, que ligava a Vila até Paracatu e daí a Goiás Velho (Picada de Goiás), Por aí passavam as mercadorias, durante o século XVIII. Segundo historiadores, o registro de Pitangui era o mais movimentado, pois era o mais importante para o comércio da Capitania na época. Pitangui foi o mais importante centro agrícola-comercial mineiro, com destaque para a pecuária, no ciclo do abastecimento (final do século XVIII e início do século XIX).

Para quem gosta de ecologia, Pitangui também não faz feio. A mina d’água da Gameleira, as Matas do Céu, da Rocinha e da Pedreira, bem como os rios Pará e São João são verdadeiros convites à aventura e ao descanso. E, para completar o quadro paisagístico, o Cristo Redentor e a Capela, no alto da Serra da Cruz do Monte, um local aprazível, de onde se contempla toda a cidade.

Após se deleitar com as belezas da cidade, o turista pode optar por uma vasta rede hoteleira, de variados preços e gostos, incluindo dentre eles hotéis-fazenda, pousadas e ainda apreciar música ao vivo, além da boa cozinha mineira em churrascarias, lanchonetes, restaurantes e bares da cidade.

Pitangui, cidade-presépio, busca, agora, novos rumos, com o fortalecimento de sua estrutura educacional, de saúde e desenvolvimento da indústria turística, em pleno século XXI.



Compartilhe!